domingo, 20 de março de 2011

Cotidiano sem valor


Estamos vivendo uma revolução nas relações humanas, que acabou como o amor. O número de pessoas reclamando que não tem um amor é muito grande. Antes quem reclamava eram as mulheres, mas hoje tem muito homem  reclamando da aventura de encontrar um amor.  Realmente virou uma aventura encontrar alguém num mundo, onde tudo é descartável. Fim de semana encontrei com um amigo, que comentou a sua solidão em que vive. Eu logo lhe perguntei: mas você vive com sua mãe, irmãos e sobrinhos, não pode sentir sozinho. Para minha surpresa ele falou... "estou mais só que nunca, você não imagina como um amor faz falta, ter alguém para conversar, dormir abraçados, ter um amor para você tomar café juntos de  manhã, voltar para casa e receber aquele carinho gostoso e isso ninguém te pode dar, mesmo morando com família". Eu nunca imaginei que iria ouvir isso de um homem, pois quem reclama de falta de amor são as mulheres, que não conseguem ninguém devido a grande demanda por um homem no mercado. Estamos formando uma geração muito grande de pessoas que vivem  desiludidos com o amor, pois os valores  hoje são outros, vive se o momento, sexo pelo sexo e pronto, mas o futuro está longe de ser repensado por partes de muita gente. Diante desta confissão do moço, fiquei imaginando como seremos daqui 30 anos, ninguém mais saberá como é  amar alguém, o amor virou algo em  extinção, assim como muitas espécies humanas. E o moço triste com a vida falou algo que me fez repensar muita coisa..." quem tem um amor, tem o prazer de dormir juntos todos os dias com alguém, tem aquele café quentinho todas as manhãs, nunca dá valor no que tem". Realmente ele falou tudo, ninguém dá valor no que tem, sempre busca algo mais, nunca está completo na vida. Como sei  toda a história da solidão do meu amigo, nada pude dizer, pois as pessoas deixam de ser felizes por motivos diversos, e um dia vem a dor da renuncia de um amor que poderia ter sido diferente. Na éra da liberdade, pois se prega a liberdade a todo custo, muita gente está presa por escolhas que vão refletir pelos restos dos seus dias.  E a escolha deste amigo o fará infeliz para o resto da vida. Diante disso me calei, também fiz escolha pela liberdade, a vida nos dá tudo, mas nós mudamos o destino. Na verdade nunca estamos felizes com o que temos, sempre buscamos mais,e nessa busca nunca encontramos o que queremos ou nem sabemos o que buscamos. Passamos grande parte da vida perdendo tempo com coisas inúteis  e deixamos de amar, de viver a vida com intensidade por coisas que não tem valor nenhum, corremos atrás do vento e perdemos as melhores coisas da vida. Uma coisa eu sempre falo, nada na vida substituí um amor a dois. Mesmo na revolução  em que vivemos, o amor sempre será essencial, em qualquer circunstâncias da vida.

5 comentários:

  1. Concordo com você, a gente só dá valor nas pessoas depois que a perdemos.Esse cotidiano não é percebido por quem tem, vira rotina.

    ResponderExcluir
  2. Frida, os homens sentem mais a solidão que as mulheres. Olha o número de mulheres sozinhas. Verdade tem que ser dita, somos egoítas, pois nunca estamos contentes com que temos, queremo sempre mais. Tudo na vida só tem valor quando não temos mais.

    ResponderExcluir
  3. Talvez se seu amigo tivesse uma família, ele não daria valor. Estaria infeliz da mesma maneira. Ser feliz depende exclusivamente da gente e de niguém mais.

    ResponderExcluir
  4. Concordo, tenho uma família, e sou infeliz, sinto me só.

    ResponderExcluir
  5. Seu amigo está carente. Ele não quer uma familia, mas sim, um amor, carinho e isso está se tornado raro hoje em dia.

    ResponderExcluir

Todos os comentários são muito bem vindos. Comentários com conteúdo racista ou preconceituosos não serão aceitos. Gostaria que assinassem, para que eu possa responder a todos. Muito obrigada.