terça-feira, 18 de maio de 2010

Bandeiras vermelhas da oposisão ao vento


Esta história que hoje me parece cómica mas na época do ocorrido foi de muito sofrimento, lágrimas e dor. Corri o ano de eleições para presidente, câmara legislativa, senado e governo estaduais, campanha nas ruas, muito comício, que naquela época podia ter showmicio, hoje proibido. Numa certa cidade, um casal passava por sofrimento pois qualquer separação por mais amigável que seja doe muito, mesmo que não haja mais amor, mas é muito triste e dolorido. O casamento é a família, quando acaba dissolve a familia, fica um lugar vazio na vida mesmo que seja substituído não será mesma coisa. O marido desta família, resolveu viver a vida aquilo que não havia vivido, normalmente isso ocorre quando a pessoa passa por alguma situação que deixa sua vida por um tris, e foi que aconteceu com esse homem. Vindo de uma familia de muito sofrimento, abandono e infância problemática, cresceu cheio de problemas existenciais. A mulher desta historia também veio com uma carga de muita dor de infância sofrida e dores, existênciais, ela queria era ser livre, fazer a vida a seu modo sem precisar viver sobre as normas de uma relação, o amor para ela dependia de um conjunto de relações que incluía amor, liberdade, sonhos. O casamento com mais de duas décadas já não é a mesma coisa dos primeiros anos, o amor dá lugar a outros tipos de sentimentos.Ano de eleição, a festa da democracia se faz presente em todas cidades. Aquele marido que resolveu viver um novo amor, arruma uma amante parecida com ele e vai a luta de sua felicidade a todo custo. O marido chega em casa e fala para a esposa que iria abastecer o carro na cidade vizinha pois na sua cidade não tinha posto com GNV e ver a passeata dos candidatos e o showmicio. O tempo passou e nada do marido infiel voltar, a esposa triste se põe a chorar toda sua desilusão sozinha em casa. Lá pela madrugada ele chega e vai dormir feliz da vida.No outro dia ela questiona o showmicio dos candidatos e ele fala que estava muito bom com muita gente. Ela incorformada pergunta se tinha muita bandeira do PDT e PT já que ela era fã do Leonel Brizola, Lula, Luiza Erondina enfim a cúpula da oposição da época e o marido sem inteligencia fala a seguinte pérola da traição "sei lá de bandeira". Com essa resposta ele se entregou sua traição, jamais havido ido ao showmício. Aquele ano  foi marcado pela eleições e pela tristeza daquele esposa traída...... A dor de perde alguém que fez história na sua vida.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são muito bem vindos. Comentários com conteúdo racista ou preconceituosos não serão aceitos. Gostaria que assinassem, para que eu possa responder a todos. Muito obrigada.